Blog Post

Últimas do blog
23 Novembro 2012

Uma homenagem para Claudio Santoro

Hoje o post fala sobre uma importante personalidade artística do Brasil que tem laços profundos com a nossa querida Capital Federal. O artista em questão é o músico Claudio Santoro. Um pequeno exemplo de sua importância cultural é o majestoso Teatro Nacional de Brasília, que foi batizado justamente com o seu nome. Além disso, Claudio Santoro praticamente fundou o departamento de Música da UnB além de ter difundido suas obras pelo mundo sendo considerado um dos mais importantes compositores da música brasileira, atrás apenas de Heitor Villa Lobos.

É meus caros, não é qualquer artista que tem o nome batizando um monumento imponente e não é qualquer artista que inaugura um departamento em uma Universidade de primeiro escalão. Claudio Santoro nasceu em Manaus no dia 23 de novembro de 1919 e desde criança teve contato com a música por influencia direta dos pais. O primeiro instrumento que aprendeu a tocar foi o violino e com apenas 12 anos de idade ganhou uma bolsa do governo amazonense para estudar música no Rio de Janeiro.

Santoro teve aulas no Conservatório de Música do Rio e se formou no ano de 1936. No ano seguinte foi contratado como professor de violino do Conservatório e nesse momento começa a ganhar destaque entre os músicos do país. O contato direto com artistas de várias vertentes o ajudou a criar uma linguagem própria como compositor. Claudio Santoro foi discípulo do músico alemão Hans Koellreuter, com quem aprendeu técnicas da música dodecafônica e da música serial.

A genialidade de Santoro está na sensibilidade de adicionar elementos de músicas regionais do Brasil em composições que seguiam a vanguarda da música erudita no mundo. Ele conseguiu dar sequência ao trabalho que Villa Lobos deixou e colocou a música brasileira em outro patamar no mundo.

Nos anos 70 e 80 a Tropicália e o Clube da Esquina foram movimentos artísticos que fizeram algo parecido com que Santoro fez. Essas manifestações musicais inseriram a brasilidade no universo Rock e Pop que ditava as tendências no mundo. Parece que o mundo inteiro sempre se surpreende quando artistas daqui conseguem fazer uma versão brasileira pro que está acontecendo no planeta. Não se trata de reproduzir o que vem de fora e nem repetir o que já está enraizado na nossa cultura. A genialidade é misturar tudo de forma coerente e expressiva como Claudio Santoro foi capaz de fazer.

Boa semana a todos

Iano Fázio

Imagens dos sites:
http://marcosnardon.blogspot.com.br/2011/03/436concerto-de-29-de-marco-da-orquestra.html

http://www.soarmec.com.br/catalogo2.htm

http://patizinhabsb.blog.uol.com.br/arch2004-09-19_2004-09-25.html

http://blogs.diariodonordeste.com.br/blogdecinema/2012-ranking-de-bilheteria/ranking-brasil-e-a-vida-continua-a-surpresa/attachment/tropicalia/

Deixe um Comentário

O Último Anjo // ETNO - As 7 Fronteiras
  1. O Último Anjo // ETNO - As 7 Fronteiras
  2. Diário da Morte // ETNO - As 7 Fronteiras
  3. Sétima Fronteira // ETNO - As 7 Fronteiras
  4. Sobre Viver // ETNO - As 7 Fronteiras