Blog Post

Últimas do blog
13 Dezembro 2013

Baião e sexta feira 13

Hoje é sexta feira treze, mas é também a data em que nasceu um grande gênio da Música Brasileira. Luiz Gonzaga, o Rei do Baião, nasceu numa pequena cidade do interior de Pernambuco no dia 13 de dezembro de 1912. Hoje por tanto seria uma boa data pra misturar dança com filmes de terror.

Desde muito jovem Luiz Gonzaga aprendeu a tocar acordeon com o pai, que era músico nas horas vagas. Ele fez várias apresentações em festas locais acompanhando o pai, mas sempre alternando com a dura atividade na roça. Uma história de amor mal sucedida acabou dando rumos definitivos na vida de Luiz Gonzaga. Parece até um enredo de novela, mas aconteceu na vida real.

O Jovem músico se envolveu com a filha do Coronel da cidade. Obviamente que por questões de classe social e de preconceitos da época a relação entre os amantes jamais seria bem vista. Mesmo assim Luiz Gonzaga e Nazarena se encontravam de forma escondida. Até que os parentes descobriram e Luiz teve que sair da cidade com medo de represálias mais trágicas por parte do coronel.

Sem poder voltar para casa Luiz Gonzaga decide se alistar no exército. Ele ficou por 9 anos viajando pelo país e trabalhando na instituição militar. Na cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais, fez amizade com outro soldado e ali iniciou uma parceria musical. O ano era 1939, Luiz Gonzaga tinha 27 anos e a partir desse momento ele tomou a decisão de ir morar no Rio de Janeiro, capital do Brasil na época, e se arriscou na carreira de músico profissional.

Nas primeiras apresentações o “Rei do Baião” fazia seus shows de forma muito comportada, usando paletó e gravata, tocando Samba, Chorinho e Foxtrote. Não causou muito impacto no meio artístico. Entretanto, em 1941 ele decide incorporar as raízes de sua infância e concorre com sua composição “Vira e Mexe” em um festival. Uma música com temperos mais pernambucanos e pouco a pouco ele foi adotando o figurino que o consagrou personificando a figura clássica do homem do Sertão Nordestino.

Quando um gênio encontra seu caminho as coisas parecem acontecer de forma fluida. São muitas músicas compostas, talvez a mais conhecida seja “Asa Branca”, mas existem outras que as pessoas conhecem e que na hora de ver quem é o autor acabam descobrindo que é também uma obra do “Rei do Baião”. Luiz Gonzaga foi amplamente apreciado e divulgado por artistas renomados que o sucederam como Gilberto Gil, Dorival Caymmi e Raul Seixas. Inclusive a revista “Rolling Stone” publicou em 2009 uma matéria intitulando Luiz Gonzaga como o Elvis do sertão, como uma forma de homenagear.

Pessoalmente eu tenho ótimas lembranças de ouvir e dançar as músicas de Luiz Gonzaga. Na sua obra ele conseguiu trazer todo o clima de festas juninas e ainda fazer relatos muito profundos sobre as condições sociais no Sertão, sobre o clima árido e sobre os costumes dessa região brasileira. É sem dúvida uma referência artística muito importante para qualquer um que deseje fazer algo realmente criativo como o fez o “Rei do Baião”

Boa semana à todos
Iano Fazio

Imagens dos sites:

http://paginacultural.com.br/danca/luiz-gonzaga-100-anos/

http://www.daviteixeira.com.br/2012/06/o-artista-que-canta-rima-e-faz-luiz-gonzaga/

http://rollingstone.uol.com.br/noticia/20-anos-sem-o-elvis-do-sertao/

Deixe um Comentário

O Último Anjo // ETNO - As 7 Fronteiras
  1. O Último Anjo // ETNO - As 7 Fronteiras
  2. Diário da Morte // ETNO - As 7 Fronteiras
  3. Sétima Fronteira // ETNO - As 7 Fronteiras
  4. SobreViver // ETNO - As 7 Fronteiras